Compartilhe esse conteúdo:

A mufla ou forno mufla é um importante aparelho de laboratório utilizado em ensaios de calcinação.

O que seria a técnica de calcinação?

A calcinação em mufla é um processo de queima, ou reação química na qual ocorre uma decomposição promovida por altas temperaturas. A calcinação altera as propriedades físicas e químicas de vários tipos de materiais e é utilizado para remover substâncias voláteis , água ou impurezas de um produto.
A mufla ou forno mufla é um equipamento de laboratório extremamente robusto pois atinge temperaturas acima de 1000 graus°C, sua composição é de tijolos refratários e resistências blindadas para suportar a alta temperatura.

A mufla ou forno mufla  também é muito utilizada em controle de qualidade e atende diversos segmentos industriais.

Na indústria alimentícia sua utilização é na área da bromatologia, ciência estuda a composição química dos alimentos, nos alimentos a cinzas se referem ao resíduo orgânico.

Determinação do resíduo mineral fixo em mufla ou forno mufla : O mesmo procedimento foi realizado para o cadinho de porcelana em relação à etapa pré-analítica. Pesou-se o cadinho de porcelana vazio em uma balança analítica (27,4025g) e em seguida a amostra após tarar-se a balança de precisão (2,0070g). Em seguida o cadinho de porcelana contendo a amostra foi levado à mufla ou forno mufla, sendo a temperatura inicial de aquecimento ajustada para 100°C na aproximadamente. Nessa etapa houve a carbonização do material com liberação de fumaça. Quando se cessou a liberação desta, a temperatura foi ajustada para 450ºC, etapa em que há a calcinação até obtenção de cinzas brancas e homogêneas.

A determinação das cinzas em mufla  também é utilizada em farmacognosia.

As drogas estudadas na disciplina de  Farmacognosia serem produtos orgânicos, apresentam componentes de natureza inorgânica, representados por carbonatos, fosfatos, cloretos e óxidos de: silício, magnésio, cálcio, potássio, alumínio, ferro e sódio.

Esse componente inorgânico próprio da constituição da droga é denominado de intrínseco e difere do componente inorgânico de origem externa, por exemplo, areia, pedra, gesso e terra. Estes últimos são originários de más preparações ou falsificações.

Levando-se em consideração o componente inorgânico intrínseco de cada droga, fixou-se o limite máximo que, excedido, determina a reprovação do produto.

A quantificação do conteúdo inorgânico faz-se por meio da determinação do resíduo pela incineração ou cinzas em mufla ou  forno mufla. Assim, a droga calcinada à alta temperatura na mufla ou forno mufla tem toda a sua matéria orgânica transformada em CO2, restando apenas compostos minerais na forma de cinzas. Portanto, a determinação do conteúdo em cinzas mostra principalmente o cuidado que foi dedicado na preparação de determinada droga vegetal.

Qualquer dúvida técnica sobre os equipamentos contidos no portfólio SPLABOR e cotações, entre em contato com o Departamento de Vendas ([email protected]) que encontra-se à disposição.

Participe do nosso Blog, aceitamos sugestões de temas, comentários, críticas. Envie seu comentário.

AVISO DE DIREITOS AUTORAIS: Todo o material deste blog, sendo proibida toda e qualquer forma de plágio, cópia, reprodução ou qualquer outra forma de uso.

Fonte: https://www.ebah.com.br/content/ABAAAe3LwAK/bromatologia-umidade-cinzas
http://www.unicamp.br/nepa/taco/tabela.php?ativo=tabela
http://www.sbfgnosia.org.br/Ensino/cinzas.html