Compartilhe esse conteúdo:

Se você já visitou um ambiente laboratorial, provavelmente notou a presença de um equipamento para laboratório denominado Centrífuga de laboratório. Uma porcentagem mínima desses experimentos laboratoriais são realizados sem ao menos uma etapa de centrifugação. Estabelecendo uma definição, Centrífuga de Laboratório são instrumentos que utilizam a força centrífuga para separar partículas coloidais ou substâncias com diferentes densidades, para diversas aplicações, como por exemplo, remover umidade, procedimentos de microfiltração, ou até mesmo simular efeitos gravitacionais.

Para aqueles que desconhecem a definição de força centrífuga, é importante destacar que esta é diferente de força centrípeta. Para entender um pouco melhor, verifique os exemplos a seguir: Imagine que você esteja no interior de um carro em movimento. Em seguida, considere que você esteja sentado em uma cadeira estática – nos dois exemplos pode-se dizer que você estará sentindo a atuação das mesmas forças. A partir desse momento, imagine que o carro esteja em alta velocidade e realiza uma curva. Consequentemente, você estaria sentindo a força centrípeta na qual faz com que você acompanhe o movimento do carro, ou seja, pode-se concluir que a força centrípeta sentida por você é aplicada pela lateral do carro. Agora adotando o carro como referencial em repouso, e o restante em movimento, você sentirá a sensação de que outra força está atuando sobre você, jogando-o (a) para a lateral do carro. Essa sim é a força centrífuga – que atua, do centro para fora da curva. A imagem abaixo ajudará nesta compreensão.

É notável que o processo de separação é um passo crítico no fluxo de trabalho do colaborador. Consequentemente é importante considerar os requisitos necessários para o experimento e especificações técnicas do equipamento exigidas, ou seja, desde a seleção da velocidade de rotação correta até outras particularidades envolvidas.

O mercado atual oferece infinitos modelos de de centrífuga para laboratório , que vai desde o muito simples com velocidade fixa, passando por aqueles que permitem regular a velocidade de rotação, programação do tempo e troca de rotores, até aos que possuem refrigeração e diferenciais de cada marca/fabricante.

Como funciona uma centrífuga de laboratório?

Embora pareça um equipamento bastante simples, o mesmo é extremamente robusto para suportar e sobreviver às forças extremamente altas envolvidas na rotação de amostras a velocidades altas (desde 4.000 RPM até patamares superiores a 20.000 RPM, por exemplo).

De acordo com a imagem abaixo, você entenderá um pouco melhor também com a explanação logo a seguir:

Fonte: Inside a typical high-speed laboratory centrifuge. From US Patent 2,699,289: High-speed centrifuge by Robert R. Allen, Custom Scientific Instruments Inc., patented January 11, 1955, courtesy of US Patent and Trademark Office.

Para entender a imagem acima, imagine que você está observando a centrífuga para laboratório, de frente ao mesmo. Pode-se perceber que as principais partes são: um motor potente (laranja, ao centro); um fuso e colarinho flexível (azul); e múltiplos pares de “bolsos” diametralmente equilibrados em que tubos para testes (com tamanho padronizado) podem ser inseridos/posicionados em seu interior (coloridos de vermelho e verde). Essa estrutura com os “bolsos” é denominada rotor. Você irá carregar a centrífuga com seus respectivos tubos falcon, seguindo as instruções do fabricante, e fechará a tampa.

 

 

Nesta etapa, antes de fechar a tampa da centrífuga para laboratório é importante equilibrar os tubos, ou seja, o número de tubos utilizados será sempre par, assim para cada tubo deve ser colocado outro tubo com o mesmo peso do lado oposto, balanceando a centrífuga. Esta regra é válida para todo o rotor e centrífuga, até mesmo microcentrífugas e rotações de baixa velocidade. Alguns modelos de centrífuga de laboratorio possuem trava de segurança para não permitir a abertura da tampa enquanto a centrifuga estiver em funcionamento, ou seja, enquanto o rotor estiver girando.Se o modelo da centrífuga para laboratório utilizada permitir configurar a velocidade, o tempo e temperatura – modelos com refrigeração – o usuário deve fazê-lo.

Tipos de Rotores para Centrífuga de Laboratório

Os tipos de rotores mais comuns são:

– Ângulo Fixo: Neste tipo de rotor, os tubos ficam posicionados sob angulação de 14° a 40° em relação a vertical. Com a influência da força centrífuga, as partículas contidas na amostra no interior do tubo, irão se precipitar no fundo do mesmo.

– Horizontal (SwingingBucket): Já neste tipo de rotor, há a presença das caçapas (ou como denominamos anteriormente, os “bolsos”) que inicialmente estão na posição vertical, mas ao iniciar o movimento de rotação na centrífuga (devido à aceleração), os mesmos ficam na horizontal. Consequentemente, a solução no tubo é alinhada perpendicularmente ao eixo de rotação e paralela ao campo centrífugo aplicado. Durante a desaceleração do rotor, o tubo volta para a posição vertical.

Obs: há outros modelos de rotores específicos, como por exemplo, para microplacas, frascos e diversos outros – tudo irá depender da compatibilidade do respectivo modelo/fabricante de centrífuga.

Quais informações devo levar em consideração no momento da escolha de uma centrífuga de laboratório?

Sempre quando desejar ou procurar por uma centrífuga, responda os questionamentos abaixo, pois desta forma você terá todas as informações necessárias para aquisição de um modelo correto.

– Qual a velocidade de rotação da centrifuga laboratorial (RPM) necessária?

– Qual a capacidade de tubos para centrífuga  (ou frascos) desejada?

– Qual o volume (mL) desses tubos falcon / frascos?

– Necessita de uma centrífuga refrigerada?

Em quais segmentos posso encontrar uma centrífuga de laboratorio?

A resposta para essa pergunta seria: infinitas possibilidades – desde um pequeno laboratório de análises clínicas, laboratório de universidades ou centros de pesquisas, indústria farmacêutica, química, de alimentos, e diversas outras.

Qualquer dúvida técnica sobre os equipamentos contidos no portfólio SPLABOR e cotações, entre em contato com o Departamento de Vendas ([email protected]) que encontra-se à disposição.

Participe do nosso Blog, aceitamos sugestões de temas, comentários, críticas. Envie seu comentário.

AVISO DE DIREITOS AUTORAIS: Todo o material deste blog, sendo proibida toda e qualquer forma de plágio, cópia, reprodução ou qualquer outra forma de uso.