Compartilhe esse conteúdo:

PCR é uma abreviação para um simples procedimento mas muito úteis em biologia molecular chamado o polymerase cHain reaction . É uma técnica usada para amplificar um segmento de DNA de interesse ou produzir lotes e lotes de cópias. Em outras palavras, o PCR permite que você produza milhões de cópias de uma sequência de DNA específica a partir de uma amostra inicialmente pequena – às vezes até mesmo uma única cópia. É um processo crucial para uma gama de tecnologias genéticas e, de fato, permitiu o desenvolvimento de um conjunto de novas tecnologias.


O que é PCR em tempo real? Qual sua importância para o diagnóstico de doenças?

Como funciona o PCR?

O PCR imita o que acontece nas células quando o DNA é copiado (replicado) antes da divisão celular, mas é realizado em condições controladas em um laboratório. O equipamento de laboratório usado é simplesmente chamada de máquina de PCR ou termociclador. Tubos de ensaio contendo a mistura de DNA de interesse são colocados na máquina, e a máquina altera a temperatura de acordo com cada etapa do processo.

Por que o PCR é importante?

A reação em cadeia da polimerase (PCR) é uma ferramenta importante para muitas aplicações. Por exemplo, pode ser usado para amplificar uma amostra de DNA quando não há o suficiente para analisar (por exemplo, uma amostra de DNA de uma cena de crime, amostras arqueológicas), como um método de identificação de um gene de interesse, ou para testar doença.

A PCR tornou-se uma ferramenta importante para o diagnóstico médico. A PCR pode detectar e identificar bactérias e vírus que causam infecções como tuberculose, clamídia, meningite viral, hepatite viral, HIV, citomegalovírus e muitos outros. Uma vez que os primers são projetados para o DNA de um organismo específico, o uso de PCR para detectar a presença ou ausência de um patógeno no sangue ou tecidos de um paciente é um experimento simples.

O PCR também é usado em testes genéticos, para determinar se os pacientes carregam uma mutação genética que poderia ser passada para seus filhos (por exemplo, a mutação que causa a fibrose cística) ou para determinar o risco de doença nos próprios pacientes (por exemplo, uma mutação no gene BRCA1 predispõe uma mulher com câncer de mama ou de ovário). O PCR é usado para amplificar o gene, que é então sequenciado para procurar mutações.

Os ingredientes padrão da mistura são:

  • o segmento de DNA de interesse
  • primers específicos
  • enzima polimerase de DNA resistente ao calor
  • os quatro tipos diferentes de nucleotídeos de DNA
  • os sais necessários para criar um ambiente adequado para a ação da enzima.

Qual é o processo de PCR?

Etapa 1: desnaturação

Como na replicação do DNA, as duas fitas na dupla hélice do DNA precisam ser separadas.

A separação acontece pelo aumento da temperatura da mistura, fazendo com que as ligações de hidrogênio entre as fitas complementares de DNA se rompam. Este processo é denominado desnaturação .

Etapa 2: recozimento

Os primers ligam-se às sequências de DNA alvo e iniciam a polimerização . Isso só pode ocorrer quando a temperatura da solução for reduzida. Um primer se liga a cada fita.

Etapa 3: extensão

Novas fitas de DNA são feitas usando as fitas originais como modelos. Uma enzima DNA polimerase une nucleotídeos de DNA livres . Essa enzima geralmente é a Taq polimerase, uma enzima originalmente isolada de uma bactéria termofílica chamada Thermus aquaticus. O ordemem que os nucleotídeos livres são adicionados é determinado pela sequência de nucleotídeos na fita de DNA original (molde).

O resultado de um ciclo de PCR são duas sequências de fita dupla de DNA alvo, cada uma contendo uma fita recém-feita e uma fita original.

O ciclo é repetido muitas vezes (geralmente 20-30), pois a maioria dos processos que usam PCR precisam de grandes quantidades de DNA. Leva apenas 2–3 horas para obter um bilhão ou mais de cópias.

Vantagens do PCR tradicional para o PCR tempo real.

As reações químicas em tempo real permitem a detecção de amplificação de PCR durante as primeiras fases da reação. Medindo a cinética da reação em as fases iniciais do PCR fornecem uma vantagem distinta sobre o tradicional Detecção de PCR. Os métodos tradicionais usam géis de agarose para a detecção de Amplificação por PCR na fase final ou ponto final da reação de PCR.

Consulte nossa linha de plásticos para  biologia molecular e termocicladores.

O que é PCR em tempo real? Qual sua importância para o diagnóstico de doenças?

Ponteira para Micropipeta

Encaixe universal compatível com as principais marcas de micropipetas monocanal e multicanal
disponíveis no mercado;
• Graduação que proporciona segurança através da confirmação visual dos volumes dispensados;
• Produzidas em polipropileno virgem;
• Tecnologia de Baixa Retenção;
• Opções de embalagem: rack, pacote e sistema Reload;
• Autoclavável (121°C, 15psi, 15min.);
• Racks com número do lote, modelo e descrição da ponteira
impressos na tampa para melhor identificação e rastreabilidade
dos produtos;
• Livre de DNA, DNase, RNase e pirogênios.

O que é PCR em tempo real? Qual sua importância para o diagnóstico de doenças?

Microtubo tipo Eppendorf

Volumes: 1,5mL e 2,0mL;
• Fundo autossustentável ou cônico;
• Velocidade máxima de centrifugação: 30.000 x g;
• Áreas de marcação nas laterais e tampas;
• Tampas com O-Ring de vedação em silicone,
à prova de vazamento;
Autoclavável (121°C, 15psi, 15min.);
• Livre de DNA, DNase, RNase e pirogênios;
• Microtubos e tampas vendidos separadamente.

O que é PCR em tempo real? Qual sua importância para o diagnóstico de doenças?

Microplaca para PCR

• Formato padrão 96 poços;
• Identificação alfanumérica;
• Autoclavável (121°C, 15psi, 15min.);
• Livre de DNA, DNase, RNase e pirogênios.


O que é PCR em tempo real? Qual sua importância para o diagnóstico de doenças?

Tubo Criogênico

  • Fabricados em polipropileno (PP).
  • Fundo auto-sustentável.
  • Tampa com rosca externa e sem anel de vedação.
  • Podem ser identificados por cores utilizando discos de inserção (Consulte discos).
  • Graduado e com código de barra impresso em cada tubo e superfície para marcações de amostras.
  • Suporta temperaturas na faixa de -196ºC (-321ºF) a +121ºC (+250ºF) para armazenamento em nitrogênio e ultrafreezer.
  • Livres de DNAse, RNAse e metais pesados, não pirogênicos.
  • Esterilizados por raios gama (não são embalados individualmente).

Participe do nosso blog, envie seu comentário, dúvida ou sugestão.

AVISO DE DIREITOS AUTORAIS: Todo o material deste blog, sendo proibida toda e qualquer forma de plágio, cópia, reprodução ou qualquer outra forma de uso.
Qualquer dúvida técnica sobre os equipamentos contidos no portfólio SPLABOR, entre em contato com o Departamento de Vendas ([email protected])