Compartilhe esse conteúdo:

O blog SPLABOR já publicou algumas curiosidades sobre autoclave e estufa porém muitas pessoas ainda questionam sobre as principais diferenças entre a esterilização utilizando uma autoclave e a esterilização com estufas. Hoje nossa equipe compartilha mais detalhes para esclarecer essa diferença.

Inicialmente é interessante abordar a diferença entre esses dois métodos, ou seja, a estufa para esterilização atua por meio de calor seco. Já a autoclave envolve calor, pressão e umidade. A esterilização por autoclave (vapor saturado sob pressão) é mais eficiente se comparado aquela feita pelas estufas (calor seco). São tipos diferentes de esterilização, ou seja, maneiras diferentes de matar os microrganismos com eficiência.

Gostaria de saber se existe alguma Lei e ou Portaria que regulamenta o uso de autoclaves em processos de esterilização e se algo proíbe o uso de estufas.
A escolha do procedimento deverá estar condicionada ao potencial de contaminação dos artigos, tipo de material e dos riscos inerentes de infecções hospitalares. A autoclave está indicada para esterilização de todos os artigos críticos termorresistentes, já a estufa é recomendada somente para esterilização de óleos, pós e caixas de instrumental (Manual de Processamento de Artigos e Superficies em Estabelecimentos de Saude/MS, 2º edição, 1994)

Sugiro que consulte a Portaria nº 2.616/MS/GM, de 12 de maio de 1998 e a Portaria nº 15, de 23 de agosto de 1988 .

É claro que não se deve esquecer de destacar que, o usuário final deve respeitar as condições necessárias de cada método para obter sucesso nos resultados. O que isso quer dizer? Quando se esteriliza utilizando uma autoclave, esse tipo de equipamento possui uma trava, na qual não permite abrir a porta durante o processo (ciclo) de esterilização. Argumenta-se isso pois no caso da estufa de esterilização , a porta pode ser aberta a qualquer momento pelo colaborador, e muitas vezes os materiais são posicionados para serem esterilizados em diferentes momentos, várias vezes ao longo do dia (coloca-se um material e logo após alguns minutos ou horas, insere-se outro). Com essa conduta, a porta é aberta para retirar um material que já estava lá por um determinado momento, enquanto outro estava no meio do processo, ocasionando oscilações na temperatura e atrapalhando o procedimento.

 

Apenas o argumento do parágrafo anterior não garante 100% de sucesso, pois tanto a autoclave quanto a estufa esterilização precisam estar em boas condições de uso, com a manutenção preventiva em dia, com acondicionamento e distribuição de cargas adequadas em sua câmara interior, além da verificação da eficiência de esterilização por indicadores químicos e até biológicos.

Agora que você sabe a diferença básica entre esses dois tipos de procedimentos, compartilhe com sua equipe para que todos saibam e assim possam proceder com as análises em seus laboratórios de maneira correta e segura.

A melhor indicação de esterilização de produtos destinados a saúde  é  autoclave  

Não é permitido o uso de estufas para a esterilização de produtos para saúde.

Consulte o site da Anvisa  https://bit.ly/2K4nItw

Clique aqui para conhecer os modelos de autoclaves ou aqui para os modelos de estufas de esterilização e secagem comercializados pela SPLABOR.

Qualquer dúvida técnica sobre os equipamentos contidos no portfólio SPLABOR e cotações, entre em contato com o Departamento de Vendas ([email protected]) que encontra-se à disposição.

Participe do nosso Blog, aceitamos sugestões de temas, comentários, críticas. Envie seu comentário.

AVISO DE DIREITOS AUTORAIS: Todo o material deste blog, sendo proibida toda e qualquer forma de plágio, cópia, reprodução ou qualquer outra forma de uso.

Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/resultado-de-busca?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&_101_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_assetEntryId=418817&_101_type=content&_101_groupId=33852&_101_urlTitle=controle-de-infeccao-esterilizacao&inheritRedirect=true

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2012/rdc0015_15_03_2012.html