Compartilhe esse conteúdo:

Em dezembro de 2019 na cidade de Wuhan, província de Hubei começaram a surgir muitos casos de pneumonia, todos os casos estavam relacionados a pessoas que frequentavam um mercado municipal. Em janeiro os pesquisadores chegaram a conclusão que se tratava de coronavírus ou covid-19.Até a data de hoje vários casos foram relatados pelo mundo.

Coronavírus são uma família de vírus que se hospeda em animais, os sintoma mais comuns são as doenças respiratórias, relatos de pesquisadores identificaram grande semelhança com o coronavírus de morcegos.

Sintomas: Febre, Tosse seca, dificuldade respiratória, dores musculares e cansaço. Em pessoas idosas e com problemas médicos subjacentes, como pressão alta, diabetes a probabilidade de agravamento é maior.

Complicações: Pneumonia, complicações renais chegando a falência renal, septicemia, falência dos órgãos e morte.

Há alguns dias o primeiro caso de Corona Vírus, chamada de COVID-19 foi identificado no Brasil.

O Coronavírus é transmitido entre pessoas, gotículas de saliva, tosse, espirros são o meio de transmissão.

Até o momento não existe vacina para o COVID-19. A melhor maneira de prevenção é higienização das mãos e uso de máscaras.O uso de máscaras não é necessário para pessoas que não apresentem sintomas respiratórios. No entanto, máscaras podem ser usadas em alguns países de acordo com os hábitos locais

As pessoas devem usar máscaras e seguir as boas práticas de uso, remoção e descarte, assim como higienizar adequadamente as mãos antes e após a remoção. Devem também lembrar que o uso de máscaras deve ser sempre combinado com as outras medidas de proteção:

“Identificar as características genéticas do novo coronavírus é parte fundamental para uma resposta em tempo real a respeito da dispersão do vírus, especialmente com base nos genomas que estão sendo publicados”, ressaltou o pesquisador Luiz Carlos Júnior Alcantara, do Laboratório de Flavivírus do IOC/Fiocruz.

Seguindo o protocolo estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), os testes utilizaram a metodologia de RT- PCR em tempo real, que detecta o material genético do vírus nas amostras. “A padronização da metodologia é uma solicitação da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Recomendações específicas para o manuseio de amostras suspeitas de infecção com COVID-19:

É recomendado não realizar tentativas de isolamento viral em cultura celular, para evitar a amplificação e concentração de partículas virais.

Os seguintes procedimentos devem ser realizados nas instalações de contenção com Cabine de Segurança Biológica nível 2, utilizando práticas de trabalho padrão:

  • Exame histopatológico e processamento de tecidos fixados ou inativados com formalina.
  • Preparação de placas para análise molecular com ácido nucleico viral já extraído.
  • Estudos de microscopia eletrônica com filmes fixados com glutaraldeido.
  • Coloração de rotina e análise microscópica de esfregaços fixos.
  • Acondicionamento final das amostras para transporte para laboratórios de diagnóstico para testes posteriores.
  • Amostras inativadas (amostras em tampão de extração para ácidos nucleicos).

 A indicação de uma cabine de segurança biológica Classe II assegura as normas de segurança dentro do laboratório.

  • Preenchimento e/ou diluição de amostras.
  • Inoculação de meios de cultura bacterianos ou micológicos.
  • Realização de testes de diagnóstico que não envolvam a propagação de agentes virais in vitro ou in vivo (por exemplo, preparação de placas para imunofluorescência).
  • Procedimentos de extração de ácido nucleico com amostras potencialmente infectadas.
  • Preparação e fixação química ou térmica de esfregaços para análise em microscópio óptico.

 A Cabine de Segurança Biológica Classe II tipo B 2 com 100 % de  renovação de ar, equipado com dois filtros HEPA, um para insuflamento e outro para exaustão;

100% do ar insuflado são somados aos 30% do ar que formam uma cortina de proteção na parte frontal do   equipamento, dessa forma impedindo que haja fuga do ar contaminado para o laboratório, este ar é exaurido para fora do laboratório por meio de um sistema de duto, com um motor acoplado no final do sistema de dutos (fora do laboratório), lembrando que o ar exaurido para o meio ambiente  já esta filtrado pelo filtro HEPA;

Este equipamento proporciona total proteção ao usuário, material manipulado e meio ambiente;

Ideal para manipulação de HIV, Oncologia (Quimioterápicos), Tuberculose, Gripe, Coronavírus e outros vírus que acarretam perigo a saúde humana e ao meio ambiente

Saiba o que diferencia um resfriado, uma gripe ou coronavírus:

Alguns dos produtos para laboratório utilizados no diagnóstico do COVID-19:

Micropipeta 

Ponteira para Micropipeta

Microplaca PCR

Termociclador

Centrífuga Refrigerada

Freezer para Laboratório

Agitador de tubo vórtex

Centrífuga para microtubos

Cabine de PCR

Participe do nosso blog, envie seu comentário, dúvida ou sugestão.

AVISO DE DIREITOS AUTORAIS: Todo o material deste blog, sendo proibida toda e qualquer forma de plágio, cópia, reprodução ou qualquer outra forma de uso.

Qualquer dúvida técnica sobre os equipamentos contidos no portfólio SPLABOR, entre em contato com o Departamento de Vendas ([email protected])

Fonte:

https://agencia.fiocruz.br/transmissao-do-covid-19-pode-ter-iniciado-em-novembro
https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:folha-informativa-novo-coronavirus-2019-ncov&Itemid=875

https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/03/13/como-diferenciar-coronavirus-de-gripe-e-resfriado.htm