Compartilhe esse conteúdo:

 

 

O turbidímetro é um equipamento essencial para a análise de água, sua principal função é medir o grau de turvação ou turbidez da água. Utilizado no tratamento de água, indústrias farmacêuticas, químicas e alimentícias, indústria ambiental, meio ambiente, água bruta, água de processo…

Mas afinal como saber o grau de turvação da água?
A turvação é um parâmetro essencial na qualidade da água. Mostra o quanto o líquido está limpo e transparente.
Como é possível verificar a turbidez e quais os parâmetros utilizados para aferi-la?

O método é baseado na quantidade de luz, sendo que a turbidez é medida em NTU.

 

Os principais parâmetros utilizados para caracterizar fisicamente a águas são a cor, turbidez, temperatura, sabor e odor. Além de serem indicadores imprescindíveis para verificar a qualidade da água, fornecem indicações importantes para a caracterização química da água.

A verificação e monitoração da turbidez são necessárias para proporcionar um meio rápido de se determinar o grau de pureza da água ( turbidímetro) , indicando qualidade estética para abastecimento público.
Nas estações de tratamento, a turbidez, juntamente com a cor ( medidor de cor da água), é um parâmetro
operacional de extrema importância para o controle dos processos de coagulação-floculação (jar-test),

O turbidímetro é dividido em tipos: turbidímetro digital e o turbidímetro portátil ou turbidímetro para campo.

 

Abaixo apresentamos os limites de turbidez estabelecidos segundo a Resolução nº357 do COMANA de acordo com a destinação da água doce. Para uma melhor avaliação da qualidade da água, a resolução enquadra em classes as diferentes destinações para água.

Limites de turbidez para destinação de água doce:
Destinação da água Turbidez (NTU)

Classe 1:
– Consumo humano, após tratamento simplificado;
– Proteção das comunidades aquáticas; e
– Irrigação de hortaliças e frutas consumidas cruas.
Até 40

Classe 2:
– Consumo humano, após tratamento convencional ou
avançado;
– Comunidades aquáticas;
– Recreação de contato primário (exemplos: natação e
mergulho);
– Irrigação de hortaliças, frutas, jardins e campos, com
os quais o público possa a vir ter contato direto; e
– Aquicultura e atividades de pesca.
Até 100

Classe 3:
– Consumo humano, após tratamento convencional ou
avançado;
– Irrigação de culturas arbóreas, cerealíferas e
forrageiras;
– Pesca amadora;
– Recreação secundária;
Até 100

Qualquer dúvida técnica sobre os equipamentos contidos no portfólio SPLABOR e cotações, entre em contato com o Departamento de Vendas ([email protected]) que encontra-se à disposição.

Participe do nosso Blog, aceitamos sugestões de temas, comentários, críticas. Envie seu comentário.

AVISO DE DIREITOS AUTORAIS: Todo o material deste blog, sendo proibida toda e qualquer forma de plágio, cópia, reprodução ou qualquer outra forma de uso.

Fonte: CONAMA,2005
http://www.repositorio.uniceub.br/bitstream/123456789/3206/2/20663851.pdf