Compartilhe esse conteúdo:

A coleta é a fase mais importante da área microbiológica. Há cerca de nove anos, o Ministério da Saúde lançou a primeira edição do Manual de Procedimentos Básicos  em Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção Hospitalar, com grande aceitação por parte dos profissionais da área da saúde . A Microbiologia é uma ciência, que tem uma grande importância se a considerarmos como ciência aplicada e podemos destacar a sua participação em diversos processos industriais, produção de alimentos, controle de pragas, controle de qualidade de alimentos, produção de antibióticos, hormônios, enzimas, e despoluição  entre outras aplicações.

Coprocultura é o exame bacteriológico das fezes, geralmente humanas muito utilizado em caso de gastroenterite adulta.

 

A classificação das bactérias que podem provocar diarreia é a seguinte: bactérias invasoras e bactérias toxigênicas Após a colheita e utilização de um swab é realizado o plantio do material em um meio de enriquecimento ou um meio seletivo.

Orientações :

1- Coletar a amostra durante a fase aguda da diarreia, preferencialmente antes da antibioticoterapia;

2-O frasco coletor de fezes  deve ser identificado corretamente, o coletador deve conferir os dados do paciente ao receber a amostra e anotar na etiqueta o horário da coleta;

3-Não utilizar papel higiênico para coletar as fezes, pois ele pode ser impregnado com sais de bário, que são inibidores de patógenos fecais

4-Em caso de crianças, admite-se a coleta sobre fralda descartável nova, do lado contrário, recolhendo-se as fezes logo após a evacuação, pois as fraldas podem ser impregnadas com sais de bário, que são inibidores de patógenos fecais

5-Evite a contaminação da amostra fecal com urina ou água do vaso sanitário.

 

Utilizar SEMPRE o swab com  meio de transporte Carry Blair.

-Coletar as fezes em um recipiente limpo e seco, fornecido pelo laboratório.

-Retirar o swab da embalagem, passar o lado que contém o algodão nas fezes (de preferência nas partes da amostra contendo muco, sangue ou pus, quando presentes).

-Abrir o swab com meio de transporte;

-Colocar a parte de algodão impregnada de fezes dentro do meio de transporte (parte gelatinosa do tubo)

-Identificar o  swab, de forma legível, com nome do paciente, dia e a hora da coleta;

-Transferir para o coletor de fezes com tampa fornecido pelo laboratório uma porção da amostra de aproximadamente 5 ml de fezes diarreicas, ou 5g de fezes formadas (porção do tamanho de uma nóz), fechar bem o frasco coletor de fezes. Identificar, de forma legível, com nome do paciente, dia e a hora da coleta

-Encaminhar o tubo com o swab e o frasco imediatamente ao laboratório ou refrigerar por no máximo 24hs

– Passar a ponta de um swab estéril aproximadamente 1 cm além do esfíncter anal. Cuidadosamente rodar o swab para coletar amostra das criptas anais, retirar o swab. Certifique-se de que existe coloração fecal no algodão. Colocar o swab no meio de transporte carry blair e enviar ao laboratório.

Para facilitar a coleta o swab pode ser umedecido em salina ou água destilada estéril.

TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO

Após a coleta, anotar na etiqueta o horário da coleta.

Fezes em  swab com meio de transporte devem ser refrigeradas (4ºC) e transportadas ao laboratório dentro de até 24h para melhor recuperação dos patógenos.

Na coleta de fezes sem meio de transporte, a amostra deve ser transportadas ao laboratório de microbiologia e processadas dentro de 1 hora.

 

Fonte: http://www.hu.ufsc.br/setores/laboratorio/wp-content/uploads/sites/6/2018/07/Coprocultura.pdf

Participe do nosso blog, envie seu comentário, dúvida ou sugestão.

AVISO DE DIREITOS AUTORAIS: Todo o material deste blog, sendo proibida toda e qualquer forma de plágio, cópia, reprodução ou qualquer outra forma de uso.
Qualquer dúvida técnica sobre os equipamentos contidos no portfólio SPLABOR, entre em contato com o Departamento de Vendas ([email protected])