Compartilhe esse conteúdo:

Biologia Molecular – Dicas de como montar seu laboratório

Como já se sabe, a Biologia Molecular trata-se do estudo da Biologia sob diferente perspectiva, ou seja, a nível molecular, focada na avaliação / estudo de estruturas e funções de materiais genéticos e seus respectivos produtos de expressão – as proteínas. Também engloba a investigação das interações entre os diversos sistemas celulares – DNA, RNA e síntese proteica. Um laboratório deste segmento tem por finalidade, permitir o desenvolvimento de procedimentos relacionados para a pesquisa. No post de hoje, citaremos alguns setores de um laboratório de biologia molecular, com base no modelo contido no Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (USP).

Para o setor de extração de DNA, cuja finalidade é a extração e purificação de amostras de DNA, é comumente encontrado:

Freezer laboratorial ou ultra freezer para laboratório;

Centrífuga de bancada;

Termobloco ou também denominado banho seco para laboratório;

Banho seco com agitação;

Centrífuga refrigerada;

Cabine para PCR;

Capela de Exaustão;

Há também o setor de lavagem, na qual possui a função de conceder suporte aos procedimentos internos do laboratório, e dispõe de:

Sistema de filtração;

Osmose reversa;

Autoclave;

Estufa de esterilização e secagem;

Para o local onde é destinado a montagem das reações de PCR e amplificação dos fragmentos de DNA, os seguintes equipamentos/produtos podem ser encontrados:

Freezer para laboratório;

Termocicladores para microplacas;

Capela de Fluxo Laminar para PCR;

Microcentrifuga;

Tratando-se de eletroforese, produtos de PCR e sistemas de  fotodocumentação dos mesmos, este setor apresenta:

Cubas de eletroforese;

Fontes de eletroforese;

Equipamento de fotodocumentação;

Em adição, existe o local de uso geral onde pode conter:

Autoclave;

Balança de precisão;

Microtubos PCR

Placa para cultura celular

Tubo falcon

Tubo criogênico

Pipeta Pasteur

Pipetador

 

RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES RELACIONADAS AOS PROCEDIMENTOS DE ROTINA DO LABORATÓRIO

– Para procedimentos de extrações de DNA que envolvem o uso de fenol ou clorofórmio, os mesmo devem ser realizados em capela de exaustão. Já para os demais, o usuário pode realiza-los na bancada. O uso da centrífuga para laboratório deve ser preventivo, ou seja, é necessário a limpeza da mesma após o uso.

– Para técnica de PCR, a realização da montagem das reações de PCR deve ocorrer exclusivamente nas câmaras assépticas (estações de trabalho), lembrando que a entrada de DNA nas câmaras assépticas é vedada. O DNA deve ser adicionado ao PCR na bancada do laboratório. Todos os equipamentos dentro da câmara asséptica devem ser limpos com papel toalha e álcool 70% após o uso. Jamais utilize equipamentos de dentro da câmara asséptica (exemplo:pipetador automático, entre outros) em outro local do laboratório.

– Nos procedimentos de eletroforese, muitas vezes a agarose de uso geral é reutilizada (o número de vezes dependerá das regras internas do laboratório). A área corada do gel deve ser descartada em recipiente apropriado e o restante deve ser derretido e passado por filtro de papel. A confecção de gel de agarose é prerrogativa de um responsável no laboratório. O tampão de eletroforese deve ser trocado após um número pré-determinado de uso (o usuário na qual estiver utilizando a cuba pela última vez determinada é quem irá trocar o tampão por um novo, bem como lavar a cuba).

Qualquer dúvida técnica sobre os equipamentos contidos no portfólio SPLABOR e cotações, entre em contato com o Departamento de Vendas ([email protected]) que encontra-se à disposição.

Participe do nosso Blog, aceitamos sugestões de temas, comentários, críticas. Envie seu comentário.

AVISO DE DIREITOS AUTORAIS: Todo o material deste blog, sendo proibida toda e qualquer forma de plágio, cópia, reprodução ou qualquer outra forma de uso.

Referência:

– Base de dados do Museu de Zoologia da USP – Disponível em: http://www.mz.usp.br/